Dia dos Direitos Humanos

10 de dezembro

Dia dos Direitos Humanos

10 de dezembro

Alteração sugerida ao artigo 3.º da

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Todos têm direito à vida, à liberdade, à segurança pessoal e ao risco.

O Movimento Raeliano defende os direitos individuais, os direitos humanos, o livre arbítrio e a liberdade de expressão. Por isso, defende o direito de escolher todos os aspetos das nossas vidas, incluindo o direito de receber ou recusar qualquer medicação ou cuidados médicos, o direito de morrer, se o desejarmos, e o direito de arriscar a própria vida.

Tendo em conta a crescente tendência global para impor uma vacina pela imunidade ao covid-19, há um sentimento de urgência em recordar às pessoas e aos seus governos estes direitos humanos fundamentais e delineá-los na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Por conseguinte, o Movimento Raeliano propõe as seguintes disposições complementares à Declaração Universal dos Direitos Humanos:

Proposta para a introdução da disposição:

“Inalienabilidade do corpo”

Proposta para a introdução da disposição:

“Inalienabilidade do corpo”

Todos têm o direito de ter o controlo total do seu corpo, do que ingerem, lhe acrescentam ou tiram dele. Nenhum tratamento, vacina, prótese, dispositivo ou manipulação que modifique ou complemente o corpo pode ser imposto ou recusado numa base legal. Qualquer indivíduo deve, em todas as circunstâncias, ser capaz de manter o controlo inalienável do seu corpo, o que inclui a escolha ou recusa de tratá-lo, melhorá-lo ou associá-lo a tecnologias, dispositivos e inoculações. Na morte, o corpo permanece sujeito às exigências feitas e tornadas possíveis pelo indivíduo durante a sua vida.

Todos têm o direito de ter o controlo total do seu corpo, do que ingerem, lhe acrescentam ou tiram dele. Nenhum tratamento, vacina, prótese, dispositivo ou manipulação que modifique ou complemente o corpo pode ser imposto ou recusado numa base legal. Qualquer indivíduo deve, em todas as circunstâncias, ser capaz de manter o controlo inalienável do seu corpo, o que inclui a escolha ou recusa de tratá-lo, melhorá-lo ou associá-lo a tecnologias, dispositivos e inoculações. Na morte, o corpo permanece sujeito às exigências feitas e tornadas possíveis pelo indivíduo durante a sua vida.

Proposta para a introdução da disposição:

“Arriscar é um direito”

Proposta para a introdução da disposição:

“Arriscar é um direito”

O risco é um direito inalienável e individual que não pode ser retirado em nome do bem comum, do interesse coletivo ou da saúde pública. Qualquer indivíduo deve ter o direito de tomar riscos, o que inclui o risco de estar doente, contaminado ou mesmo ferido pelas atividades em que ele ou ela escolha exercer. Cabe à legislação local estabelecer a relação entre a tomada de riscos e o acesso aos cuidados públicos. A escolha de viver ou morrer, seja causada pelo risco que corremos ou não, deve, em última análise, ser do indivíduo.

O risco é um direito inalienável e individual que não pode ser retirado em nome do bem comum, do interesse coletivo ou da saúde pública. Qualquer indivíduo deve ter o direito de tomar riscos, o que inclui o risco de estar doente, contaminado ou mesmo ferido pelas atividades em que ele ou ela escolha exercer. Cabe à legislação local estabelecer a relação entre a tomada de riscos e o acesso aos cuidados públicos. A escolha de viver ou morrer, seja causada pelo risco que corremos ou não, deve, em última análise, ser do indivíduo.